Juliana Lahóz Arquitetura comenta sobre eflorescências, o acúmulo de sais que resultam em manchas brancas sobre os materiais

As eflorescências são depósitos de sais formados a partir do processo de lixiviação, uma reação química indesejável que acontece entre o cimento e o revestimento. Esse processo resulta em manchas brancas bem comuns quando os materiais entram em contato com ambientes úmidos. Essa patologia não oferece riscos estruturais a edificação, contudo altera a aparência do revestimento onde se deposita, há casos em que seus sais constituintes podem ser agressivos e causar degradação profunda.

Segundo a arquiteta Juliana Lahóz, as eflorescências podem aparecer por diversos fatores, como infiltração de falhas no rejunte, presença de impurezas na areia e presença excessiva de água no cimento. Para evitar o aparecimento das manchas, a arquiteta sugere o acompanhamento de um profissional desde a escolha dos materiais que vão ser utilizados até o processo de instalação e finalização.

A profissional ressalta que, por se tratar de uma reação química natural entre os elementos, às vezes as eflorescências podem aparecer. “O profissional preparado consegue lidar com esses imprevistos e essa situação poderá ser resolvida com uma boa orientação na limpeza e no uso produtos específicos após o aparecimento das manchas”, finaliza a arquiteta.

Serviço:
Juliana Lahóz Arquitetura
CAU A28553-6
(41) 3024-8210
www.julianalahoz.com