07/AGO – Prédios inabitados são determinantes para o déficit habitacional

Saergs - Função social dos prédios inabitados

Criminalizar os movimentos sociais que lutam por moradia, situação que se agrava ao longo dos últimos anos, é um desvio de foco do problema: os imóveis inabitados que contribuem para o déficit habitacional do país, que já chega a seis milhões. A afirmação é do ex-secretário de Habitação de São Paulo (SP), João Whitaker, que estará em Porto Alegre (RS), no dia 7 de agosto, para palestrar no seminário Olhares Sobre a Cidade.

O arquiteto e urbanista falará sobre o papel da recuperação e preservação de prédios desocupados para a revitalização de centros urbanos. O evento, que tem inscrições gratuitas pelo email secretaria@saergs.org.br, ocorre no Memorial Luiz Carlos Prestes, às 8h30min, e é uma realização do Sindicato dos Arquitetos no Estado do RS (Saergs).

De acordo com Whitaker, que também é professor da Universidade de São Paulo (USP) e presidente do Programa de Pós-Graduação de Arquitetura e Urbanismo da instituição, estima-se que existam cinco milhões de imóveis desocupados no Brasil que não cumprem sua função social. “Prédios inabitados nas áreas centrais gastam dinheiro público, porque mantêm subutilizada toda a infraestrutura construída”, afirma, destacando serviços como água, esgoto e luz que ficam inativos.

Para o arquiteto, no lugar de criminalizar os movimentos sociais, é necessário que o poder público estabeleça diálogo com eles e elabore políticas públicas consistentes sobre o tema. Whitaker cita o caso dos prédios da Ocupação Baronesa, na capital gaúcha, que foram destruídos no dia 18 de julho pela Prefeitura de Porto Alegre, deixando famílias desabrigadas. “Essa é a força do mercado imobiliário, que destrói prédios históricos para construir imóveis de alto padrão”, afirma.

A presença de Whitaker no seminário é essencial para que se entenda a complexidade do déficit habitacional de maneira ampliada, segundo a presidente do Saergs, Maria Teresa Peres de Souza. ”A situação das áreas urbanas centrais, nas grandes cidades, é crítica, sendo agravada pela carência de políticas públicas que priorizem o atendimento da população de baixíssima renda ou sem renda. O debate com o professor Whitaker será uma oportunidade de ampliarmos os debates que ocorrem, neste momento, no Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano Ambiental em Porto Alegre, aproveitando a experiência de São Paulo, e buscando construir caminhos possíveis para estes problemas”, destaca.

O seminário Olhares Sobre a Cidade conta com patrocínio do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio Grande do Sul (CAU/RS) e apoio da Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas (FNA), Associação Brasileira de Escritórios de Arquitetura (AsBea/RS), Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/RS), Associação de Arquitetura de Interiores do Brasil/RS (AAI Brasil/RS) e Memorial Luiz Carlos Prestes.

Serviço:
Seminário Olhares Sobre a Cidade
7 de agosto / às 8h30min
Memorial Luiz Carlos Prestes
Av Ipiranga n°10 (esquina com Edvaldo Pereira paiva)
Porto Alegre, Rio Grande do Sul
(51) 98463-9802

SAERGS – Sindicato dos Arquitetos no Estado Rio Grande do Su
(51) 3224-6066
http://saergs.org.br/